“Eu Acredito Que Fazer o Bem Faz Bem” Diz Paraibanense Que Ajuda Crianças no Haiti.

Áurea Lopes com crianças no Haiti

A maranhense de Paraibano, Áurea Lopes vivendo há mais de 20 anos na Suíça, é uma dessas pessoas que poderíamos chamar de guerreira. A vida dessa “jovem” daria um belo livro. Saiu de Paraibano com seu violão debaixo do braço e rodou o Brasil levando sua arte. Chegou à Suíça sem falar nada de francês, italiano muito menos alemão (idiomas falados no país), arranhava o inglês, mas foi em busca de um “novo mundo” de eternas culturas. Teve seu filho Samuel, trabalhou na imprensa, com artesanato, deu aulas de arte, tocou em barzinhos, em estações de metrô, viajou para outros continentes vizinhos, enfrentou situações perigosas, como aconteceu na Rússia… Enfim. Poderia estar tranquila observando as águas do Rio Reno, mas nas veias de Áurea corre sangue nordestino, quente e inquieto.

Há alguns anos, a pedido da ONG Frères Sans Frontières (Suíça) retornou ao Brasil para desenvolver um trabalho com crianças carentes em bairros de periferias de São Luís, onde na oportunidade criou em parceria com a comunidade, o Projeto Melhor Viver. Ali nas palafitas da ilha maranhense criou um boizinho de material reciclado para educar como também para fortalecer a cultura local: “Porque é uma pena que as pessoas vão perdendo os seus hábitos, culturas, e o nosso boizinho era um boi de zabumba que foi o primeiro sotaque que existiu, tocado e cantado pelas próprias crianças do Projeto Melhor Viver das palafitas dos bairros da periferia de São Luís” revelou Áurea em entrevista ao site “A indumentária do Boizinho Reciclado foi para Paris duas vezes em exposições, para a Suíça três vezes, foi tocar no Rio e São Paulo, várias apresentação na Suíça,  no Maranhão em eventos importantes de meio ambiente, escolas, etc. O Projeto Melhor Viver chegou até ao Haiti. O Projeto tomou as pernas e foi para o mundo, inclusive esteve na Iugoslávia na época da guerra… O resultado do Projeto Melhor Viver, vem sendo um trabalho de sensibilização e conscientização pelo mundo” confirmou Áurea.

Mas nem tudo são flores nessa batalha por um mundo melhor, o coração dessa paraibanense é como de mãe sempre cabe mais causas de solidariedade, como disse na reportagem: “Após o terremoto no Haiti em 2010, a situação humanitária do país, o mais pobre das Américas, ficou ainda mais caótica. Mais de 200 mil pessoas morreram e aproximadamente 300 mil ficaram feridas. Inúmeras crianças perderam seus pais. Muitas delas foram acolhidas por orfanatos de Porto-Príncipe (capital do Haiti), algumas por pessoas de bom coração que mesmo com dificuldades para mantê-las abrigaram nas em suas casas. Porém, outras não tiveram tanta sorte, buscando abrigo nas ruas da cidade. Ao ver tal situação, tomei a decisão de ir, em nome do Projeto Melhor Viver, trabalhar como voluntária, com o objetivo de ajudar e compartilhar minha experiência como educadora-social junto àquelas crianças e adolescentes nos orfanatos, e com jovens em comunidades de periferia”.

Há cinco Áurea atua como voluntária no Haiti: “Nos últimos anos, tenho organizado o “NOËL DE LA JOIE” (Natal da Alegria, em francês, uma das línguas oficiais do país) para órfãos em Porto-Príncipe, que já proporcionou mais de 600 sorrisos. O objetivo deste ano é alegrar no mínimo 242 crianças (incluído os bebês) e adolescentes/jovens, realizando a festa de Natal, com distribuição de presentes, brincadeiras, refeição digna com direito a sobremesa, momentos estes sonhados por todos; como também adquirir 14 camas com colchão para as crianças que atualmente dormem no chão” diz Áurea emocionada “Porque sou alucinada por crianças, eu não consigo ver crianças em risco, em vulnerabilidade social, sem que eu não possa brigar por elas, eu entro em desespero vendo crianças sofrendo,  fico mal com isso… Muita gente diz que eu sou uma irresponsável, porque não entendem porque eu faço isso… Mas eu acho que cada um tem que fazer o que gosta, ou que acredita… Eu acredito que fazer o bem faz bem. Às vezes a gente acha que vai ajudar as pessoas, faz e acontece… A sensação que eu tenho quando saio dos orfanatos é que eu aprendi muito mais do que eu ensinei durante o dia, entendeu?

Essa sensibilidade de Áurea Lopes em ajudar o próximo já criou situações de perigos para a mesma, como se envolve em causas difíceis, já foi raptada em uma favela por ser confundida como espiã, já sofreu desavenças com pessoas que não aceitam seu trabalho para o bem, entre outras situações que faria muitos desistirem. Mas ela apesar da aparência frágil fisicamente, não se engane, é forte como uma leoa “Os orfanatos é um negócio de muito coração, eu tenho verdadeira paixão por esse trabalho, eu faço o que posso e o que eu não posso, eu brigo mesmo por essas crianças, são três orfanatos que eu estou atualmente atuando como voluntária em Porto Príncipe, e mais os grupos de jovens nas periferias que eu atendo também… a gente estar fazendo oficinas que ensina às crianças as artes, como música e artesanato, produtos de material reciclagem, bijuterias de papel, vassouras de garrafas peti, objetos decorativos, estamos trabalhando muito… tudo isso com o objetivo, de auto sustentabilidade para que eles entendam que sem família, sem lugar para morar, emprego, sem ninguém, em situação paupérrima, crianças e jovens que vivem até com 15 pessoas em casebres, barracos, sem água sem luz… Meu Deus! É uma situação difícil de explicar…. Mas estou tentando fazer com que eles entendam, é a importância da reciclagem, a importância de ele limpar a cidade que é muito suja, sensibilizando-os que quanto mais lixo mais doenças, e que eles possam transformar isso em seu trabalho,  tendo seu pequeno “revinir”, seu dinheirinho, que serviria para transporte, comidas e quem sabe futuramente poder pagar um lugar digno para morar” explanou Áurea.

“Eu acho que o Natal para uma criança essa magia do natal, é única, não existe outra coisa mais significativa, o sonho do natal para uma criança é algo fantástico… Esse simples gesto da criancinha receber o presente e abri o sorriso, isso vale qualquer perigo, eu enfrento qualquer dificuldade, até mesmo risco de terremoto, furacões, sempre com consciência e responsabilidade, eu encaro isso com naturalidade, me entrego a Deus e digo a Deus que eu estou fazendo um pouco do que eu posso por essas crianças e espero que mais pessoas possam também fazer de alguma forma, o importante é fazer uma boa ação… Então as crianças, elas me revitalizam, me ensinam, eu dou carinho para elas e recebo uma tonelada delas também, é uma troca maravilhosa, acho que é difícil ficar sem isso… Eu gosto desse negócio do mundo mesmo, buscando onde ajudar, não sei porque não sei de onde vem, mas eu gosto… simplesmente acho que cada pessoa deveria fazer a sua parte também” diz áurea durante a entrevista ao site Paraibanonews. “O natal para essas crianças é hiper importante, como para todas as crianças do mundo, na realidade Leo eu sempre organizei esse natal com mais antecedência, mas esse ano eu tive que substituir um dos nossos diretores que estava em viagem por três meses e só agora eu pude vir ao Haiti para iniciar esse natal e ficou muita em cima da hora, por isso essa correria para organizar essa vaquinha… é por isso que estamos pedindo ajuda a todas as pessoas, pra ver se a gente consegue, para isso acontecer, é preciso a ajuda ou contribuição das pessoas pelo mundo “Gostaríamos de poder contar com vocês, familiares, amigos e todas as pessoas que amam as crianças e que torcem para vê-las sorrindo em qualquer lugar do mundo, a colaboração com qualquer valor” solicitou Áurea Lopes. O objetivo da campanha é beneficiar mais de 242 crianças órfãs no Haiti, a ajuda vai servir para realizar o 5º Natal consecutivo do “Noël de la Joie” (Natal da Alegria, em francês) Para as pessoas que queiram ajudar no natal de uma criança no Haiti, nos endereços abaixo, após acessar existe a forma como você poderá contribuir. Veja contatos: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/natal-orfanatos-dohaiti. Você poderá também acessar os endereços abaixo para ver os trabalhos dos orfanatos que serão beneficiados La Maison des Enfants de Dieu – https://www.fhghaiti.org/ ou Chez Mami Soso – Foyer Mami Jo – Grupo de Jovens do “Quartier de Santo” (periferia de Porto-Príncipe).

Áurea Lopes finaliza a reportagem agradecendo: “Em nome de cada uma dessas crianças, dos responsáveis desses orfanatos e das pessoas envolvidas nesta corrente, eu agradeço de coração a cada um de vocês, por sua contribuição e generosidade, tornando possível realizarmos mais uma vez o “Noël de la Joie” (Natal da Alegria).  Desde já, desejo a todos um Natal abençoado! Um grande beijo.” deseja a paraibanense de coração gigante, esperando que muitos outros ajudem nessa causa tão importante.